Madero – o retorno

Relendo o meu texto sobre o Madero, achei que fui meio injusta com a casa. Eu devia estar mal humorada no dia, porque o sanduíche da casa é, sim, muito gostoso, mas eu fiquei fixada na ideia publicitária do “melhor hambúrguer do mundo”.  Toda casa se vende como a melhor, né?

Enfim, depois do meu texto, uma amiga me deu a dica do que pedir por lá, caso eu resolvesse dar uma segunda chance. Acabei voltando mais de uma vez e a casa deu uma reviravolta no meu conceito. Mas registro aqui a minha única ressalva: essa história de “saber o que pedir” me irrita um pouco. Se está no cardápio, tem que cumprir sua promessa de qualidade (ainda lembro de quando o Galetos, no Iguatemi, destruiu um filé de bacalhau e depois que reclamei no blog, teve gente que disse ‘mas foi ao Galetos pedir bacalhau?!).

Tô com ressaca, então, estou divagando muito. Foco.

O famoso palmito da casa. R$37,00, por palmito. Fui descrente e como todo incrédulo que enxerga a luz, me ajoelhei e pedi perdão e me converti. Cara, que negócio delicioso. Palmitão de pupunha, feito na brasa, com nada além de manteiga e flor de sal. Espetacular, simplesmente, espetacular. Comi com vontade e não sou, nem de longe, fã de palmito.

Nesse dia, minha visão do Madero já mudou, mas depois ainda voltei lá só para ficar beliscando e também foi excelente. Além do palmito, o tipicamente alemão schnitzel (filé de carne de porco bem batidinho e fininho, com casquinha à milanesa, R$28,00), com um limãozinho, fez a festa até das crianças.

DSC_0540

A porção de batata frita com molho de queijo, apesar de simples, estava deliciosa, crocante, mas sem ser descaradamente uma ‘McCain’ da vida. Batata mais caseira, sabem? E o molho, viciante. R$22,00.

DSC_0542

O petit gâteau de doce leite fechou tudo com chave de ouro e tem algum ingrediente ali que faz toda a diferença, mas que ainda não captei exatamente o que é. É uma nota mais marcante, tipo canela, enfim, não sei, mas vale a pena engordar por ele.

Foto da internet porque perdi a minha, mas é bem assim mesmo.
Foto da internet porque perdi a minha, mas é bem assim mesmo.

Por fim, atendimento bem solícito, em todas as visitas não tive problemas para sentar nem para ser servida. E, assim, me redimo pelo texto chinfrim que dediquei à casa. Não fica baratinho na empolgação, não, mas o Madero vale a visita, sim.

PS: minha amiga comeu o hambúrguer de frango e me disse que estava delicioso. Já vou tentar voltar.

Nota do blog: Gostei muito!

Dica do blog: para quem não fuma, uma boa opção de happy hour, viu? Chopp, schnitzel, palmito e batata frita. Fechou!

Serviço: Pátio Brasil Shopping, 4º andar, (61) 3041-7005

2 thoughts on “Madero – o retorno”

  1. Fui uma vez só, mas devo a mim mesma um retorno.
    Comi um cheeseburger simples, mas estava maravilhoso!!!
    A batata crocante e sequinha, merece uma salva de palmas também!!!
    E um grande diferencial foi chegar e poder pedir uma Original 600ml por um pre;co justo. Sim, me amarro em cheeseburger com cerveja! hehehehehehehehe…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *