23 ANOS DE DOM FRANCISCO

O restaurante Dom Francisco completou 23 anos no dia 22/07. Para quem não teve a oportunidade de conhecer a casa nos idos dos anos 80 – ao contrário desta blogueira que se lembra perfeitamente de ir sempre ao Francisco da Asbac e adorava brincar no pier de lá – é válido lembrar que Dom Francisco Ansiliere, além de ser um senhor simpático até não poder mais, é responsável por grandes benefícios gastronômicos na cidade.

Ele foi pioneiro na valorização, por exemplo, de um azeite de qualidade. E muito antes de um monte de casas se ‘especializar’ em arroz com brócolis e farofa de ovo, Francisco já os fazia, e ainda faz, com perfeição. É considerado alta gastronomia? Não. Mas em Brasília, tirando Aquavit, quem o é?

Bacalhau saboroso, picanha bem feita, e os melhores legumes na manteiga, aliados à tradição e bom atendimento fazem do Dom Francisco uma aposta ideal para encontros familiares e almoços descontraídos e jantares fartos.

Fomos convidados para participar de um jantar em comemoração ao aniversário da casa. E, gente, devo dizer que foi uma honra. Primeiro, porque só havia uma outra colega blogueira lá, que é a nossa querida e cosmopolita Karine Mariath. Segundo, porque, gente, foi um jantar espetacular, daqueles que parecia preparado para amigos íntimos, super cuidadoso, fartíssimo (eu, que sou eu, saí rolando!).

Na nossa mesa VIP – ao invés de enxergar como tendo sido esnobados pelos empresários e jornalistas, decidimos o oposto: nós que éramos especiais demais para sentar com todo mundo, rárá – vimos passar uma super salada e vários bolinhos de bacalhau.

E aí, começou o banquete! O Bacallá Mantecato, feito bem desfiadinho, quase em pasta mesmo, sobre um purê, ou para ser mais romântica, uma cama ou leito de creme de polenta, delicioso, super leve. Aí, chegou o  Bacalhau Espiritual Amazônico, feito com molho Arubé, à base de leite de castanha e tucupi reduzido. Levíssimo, ma.ra.vi.lho.so! Apesar dos ingredientes marcantes, ficou saboroso sem ser ‘paulada’.

De repente, nos chega um prato com lagosta ao molho ‘Manacubil’, à base de tucupi, castanha do Pará (para os internacionalistas, agora, é do Brasil), à maneira amazônica, seja lá o que isso significa. O resultado é aquela carne de lagosta, com um molho de notas ácidas, porém, ainda delicadas, com arrozinho básico, para não matar o sabor do crustáceo que é bem sutil.

Demos uma ‘apelada básica’ em certo momento, mas como o garçom pergunta se queremos provar as duas carnes, bife de ‘angosto’ e bife Ancho?! Fomos com as duas! Desculpem o baixo calão, porém, ‘carái, véi’, o que eram aquelas carnes? O bife de Ancho deixou o recentemente provado no Bsb Grill no chinelo, no chão!!! Maciez impecável, sal na medida, ponto do jeitinho que foi pedido, incrível. A farofa de ovo e o arroz com brócolis continuam impecáveis. A primeira, molhadinha, o segundo com brócolis pré-temperado. E as batatas do angosto, crocantes por fora e macias por dentro, estilo La Chaumiére. Bom demais.

Para sobremesa, eu estava já chorando comida. Mas desse banquete não se recusa na.da. O mini creme brulée e a cheesecake de banana estavam dignos de confeitarias especializadas. Enfim, o melhor convite do ano!

Todos esses pratos, em versões individuais, com exceção do Espiritual que é mais farto, estarão disponíveis nas casas da Asa Sul e da Asbac até o dia do meu aniversário (obrigada pela homenagem, Chef. É que a gente é muito chegado mesmo), 28 de agosto. Portanto, indico a todos que provem pelo menos um dos pratos. 

Os preços estão abaixo, e as fotos ficaram em outro computador, mas posto esse finde ainda.

  • NOTA DO BLOG: SHOW!
  • DICA DO BLOG: Prove um dos bacalhaus; eu apostaria no bife Ancho; e toparia o creme brulée sem medo de ser feliz.
  • SERVIÇO: Asbac, Setor de Clubes Sul, telefone 3224-8429, e CLS 402 Sul.

Pratos em comemoração aos 23 anos – Somente no Dom Francisco  da ASBAC

Bacalhau Espiritual Amazônico, com molho Arubé e leite de castanha (R$ 69)

Lagosta Gratinada ao molho de Arubé  – individual -(R$ 54) ;

Bife “angosto” com farofa de ovos e arroz de brócolis – individual – (R$49);

Monfish com molho de amêndoas e arroz à piamontese – individual -(R$ 46);

Bife ancho com batatas coradas – individual – (R$52).

3 thoughts on “23 ANOS DE DOM FRANCISCO”

  1. Estive alguma vezes na casa e, na maioria delas, pedi o bacalhau na brasa . O prato é gostoso, mas, com o devido respeito, prefiro o que é servido na Asa Sul, até porque é mais farto . Por outro lado, todas as vezes que tentei fugir do bacalhau me dei mal. Pedi uma dobradinha e não gostei. Pedi um pato no tucupi, um de meus pratos prediletos , pois sou nortista, e levei um susto. Tratava-se de uma redução de tucupi que, na minha opinião não tem nada a ver. Também não achei as mil maravilhas. Tentei uma moqueca capixaba e…deixa para lá. Mas ainda assim, pela localização, atendimento e pelo BACALHAU é um local que eu recomendo ir. A mouse de chocolate também é imbatível. E loas ao Francisco, que apresentou azeites e vinagres ao distinto público brasiliense quando comandava a primeira casa. Fez história, sem dúvida.

  2. Fui ao Francisco da Asa Sul (onde tudo começou). Para variar pedi a trinca: meia porção de pastel de bacalhau, meia de arroz com brócolis e bacalhau na brasa. Pois bem, o pastel pingava óleo ( mas ainda assim estava gostoso) e passara do ponto de fritura. Arroz, normal (soltinho, bem temperado). E o bacalhau? Quase bom. Estava no ponto correto de sal, a porção não era pantagruélica mas dava para o gasto , mas, mas, dei azar e peguei um pedaço com 5(cinco ), evidenciando que no mínimo não era “aquele” lombo. Atendimento, pelo menos para mim, muito bom, apesar de a casa estar com gente saindo pelo ladrão (o Congresso parece que funcionou hoje). Bebi um vinho da Tunísia, coisa “grãfa” , de um vinhedo da região onde um dia ficava Cartago (será) . Era muito bom. O nome, não guardei. É só perguntar para o sempre atencioso somellier. Pelo conjunto da obra, vai ganhar nota 7,01.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *